Organização

5 dicas de organização da Marie Kondo

Após a febre que foi a série “Ordem na Casa com Marie Kondo”, lançada no início desse ano pela Netflix, resolvi fazer um post falando sobre o método KonMari, o método de organização desenvolvido pela Marie Kondo (KonMari é um apelido dela). Ela é obcecada por organização desde os 5 anos (fiquei chocada) e, a partir dos 15 anos, começou a estudar o assunto a sério. Atualmente, ela é palestrante e consultora.

Para falar melhor sobre o assunto, resolvi ler o livro dela “A Mágica da Arrumação”, lançado em 2011. Foi muito legal a experiência de ler o livro pois a série mostra, na prática, como arrumar, e o livro mostra a história por trás do método, como ela desenvolveu e a explicação das partes dele. Então, aqui vão 5 dicas que separei após assistir a série e ler o livro:

1. Descarte o que não traz alegria

O método dela basicamente consiste em você pegar cada objeto e sentir se ele te trás alegria. É engraçado ver na série a reação das pessoas quando ela fala isso, que deve ser bem parecida com a nossa ao ouvirmos isso. No livro ela conta que, por muito tempo, ela fez várias tentativas até chegar no método e percebeu que dávamos muita atenção ao que saía: compre uma coisa e joga duas fora e coisas do tipo, mas que percebeu que o ideal era olhar o que fica. Devemos ficar só com o que amamos para ficarmos felizes cada vez que olharmos para o que temos.

“Por meio dessa experiência, concluí que a melhor maneira de fazer a triagem do que fica e do que sai é segurar cada item e indagar: “Isso me traz alegria?” Se a resposta for afirmativa, guarde-o. Caso contrário, jogue-o fora. Este não só é o critério mais simples, como também o mais preciso.”

 

2.  Determine um lugar específico para cada item que restou

No momento em que você determina um lugar para cada coisa que você tem, fica muito fácil manter a organização, pois é quase automático. Faz uma semana, aproximadamente, que organizei meu quarto utilizando o método dela e já posso sentir isso. Quando algo está fora do lugar, sei onde colocar, sem nem pensar muito.

“O motivo pelo qual cada item deve ter seu local específico é que a existência de um objeto sem lugar definido multiplica as chances do retorno à bagunça.”

 

3. Siga a sequência: roupas, livros, papelada, itens variados e itens de apego emocional

Como dito no primeiro item, devemos ficar com o que nos traz alegria. Como essa noção de alegria é algo que vai sendo aprimorado durante o processo, essa sequência é sugerida. Nos itens de apego emocional estão inclusos presentes e lembranças: imagina começa a se desfazer deles primeiro, seria absurdamente mais difícil.

“Além do valor material, existem três outros fatores que agregam valor aos seus pertences: funcionalidade, informações e apego emocional. Quando se acrescenta o elemento da raridade, a dificuldade de desapegar se multiplica.”

 

4. Organize de modo simples

Imagine todo dia ter que ficar pensando onde vai cada coisa e ter que fazer malabarismos para colocar no lugar: em uma semana (ou menos) você ia desistir de organizar e ia simplesmente colocar em qualquer lugar. Por isso, a organização deve ser simples, de fácil acesso, e possibilitando ver tudo. Acho que uma das coisas mais legais desse método de organização é adquirir a consciência de tudo o que temos. Como ela diz, guardamos itens similares em diferentes lugares, o que dificulta saber quanto temos. Quando você junta todas as suas roupas, todos os seus livros, tudo o que você tem parecido, e pega cada coisa para sentir se te trás alegria, você acaba conhecendo tudo o que tem.

“A maioria das pessoas tem consciência de que a origem bagunça é o excesso. Mas por que temos mais do que precisamos? Em geral é porque não sabemos exatamente quantas coisas possuímos, e isso acontece porque nossos métodos de organização são complexos demais – ou inexistentes. A habilidade de evitar o excesso depende da habilidade de simplificar a organização. O segredo de um ambiente organizado é buscar a simplicidade máxima na organização, de tal modo que baste uma olhadela para que a pessoa consiga ver o que tem.”

 

5. Colecione memórias e não coisas

É engraçado como vamos guardando algumas coisas pelas memórias que nos trazem, é quase como se fôssemos perder a lembrança por descartar a coisa. Eu sentia isso com itens de eventos que eu fui, guardava todos os papéis. Mas, na verdade, eu nunca ia olhar eles. Acabei guardando apenas os crachás. Porém, o importante é tudo o que aprendi nessas situações, isso sempre vai ficar em mim, independente dos objetos que eu guardar ou descartar.

“Não devemos celebrar as lembranças, mas a pessoa que nos tornamos por causa das experiências que tivemos. Esta é a lição que os objetos de valor emocional nos ensinam quando os organizamos. O espaço em que vivemos deve se adequar à pessoa que somos agora, e não àquela que fomos um dia.”

 

Depois de tudo isso, você provavelmente estará pronto para viver a mágica da arrumação em sua vida!

 

As citações contidas nesse post foram extraídas do livro “A Mágica da Arrumação”.

 

E então, já conheciam a Marie Kondo e o Método KonMari? O que acharam?

Muito obrigada por tudo!

Beijinhos!!!

 

Anúncios

Um comentário em “5 dicas de organização da Marie Kondo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s